novembro 23, 2006

novembro 22, 2006

Renascida das Trevas

Caros alucinados,

Venho por este meio anunciar o meu regresso, qual D. Sebastião desaparecido ou filho pródigo de volta a casa. A MadameZen apresenta-se ao serviço. Comunico, igualmente, que a panca mantém-se, ou melhor, desenvolveu-se galopantemente, mas, sem preocupação de maior, uma vez que aqui há quem "me trate da saúde". Suspeito que a ausência das manifestações comunicacionais deste espaço de revolta, angústia ou, até, hino de vitória, se deva apenas aos desencontros da vida. Não estou equivocada, pois não? Ou terei que afirmar, que sinto uma incomparência comunicativa entre os que cunham no coração a paixão pela comunicação?

novembro 14, 2006

Doce



Qualquer semelhança não é pura coincidência.

Doce. Doce. Vai brilhar.

novembro 07, 2006

Mitos parte II

Não, não vou começar por dizer mal (lá chegarei mas não agora...). Começo por dizer que as relações com os media (ou as media relations, como adoram dizer por aí... Viva o inglês... sempre parece uma actividade mais importante) têm a sua utilidade. Quando feitas de forma estruturada e pensada têm até muito valor e não são assim tão óbvias quanto parece. Podem ser importantes, quando pertinentes; podem ser desafiantes, quando pensadas.

Feita a defesa desta área, passo à fase seguinte... A questão que me intriga é só esta: como é que as RP estão tão "coladas" às relações com os media se praticamente elas estão ausentes durante o nosso percurso académico? Não sei se me percebem... Praticamente não temos formação nesta área. Temos uma cadeira semestral apenas em que nos ensinam a fazer um comunicado e uma conferência de imprensa. E vimos cá para fora e dizem: bom, agora tens de fazer media porque as RP são isso mesmo. Mas como? Donde vem esta ideia? Qual a origem? Não percebo... Peço esclarecimentos... para poder dormir melhor.;)

P.S: Desculpem o erro ortográfico do último post... Quem me conhece sabe como sou sensível a estas coisas... enfim, o que me consola é que errar é humano.;) O espontâneo tem este lado... :)

novembro 01, 2006

Estratégia ou talvez não...

Parece que o mundo se tornou iluminado. Toda a gente pensa em estratégia, toda a gente faz estratégia... Mais, toda a gente adora estratégia... Curiosamente, nunca a palavra foi tão desvirtuada, banalizada, mal-tratada... Perdeu o seu valor, perdeu a sua essência, já não significa nada, já não quer dizer nada. Quando a oiço não interpreto coisa nenhuma... Tenho pena da palavra estratégia, coitada. Em respeito à sua essência perdida, vou abandonar esta designação. Fica declarado. Procuram-se sinónimos ainda não adulterados pelo ser humano. ;)